domingo, 13 de outubro de 2019

"A Pesca não se explica, SENTE-SE..."

"A Pesca não se explica, SENTE-SE..."   

“Vou novamente à pesca e vejo nos teus olhos a reprovação silenciosa de te deixar sozinha… Não me julgues, não é que eu não queira estar contigo, mas preciso de estar comigo mesmo e bem sei que, por mais que insistas em tentar compreender a paixão que tenho com a pesca, jamais irás conseguir.

É que sinto na alma esse amor pelo Oceano pelas suas ondas, e pela aventura de cada peixe capturado. Preciso de um lugar arejado, com água salgada  e vento. Quero vestir o fato de neoprene, não quero preocupar-me com o meu aspeto, quero sentir o cansaço, que o sol queime a minha cara, e que o frio a congele. Quero ver  um rio, algas, limos, peixes, aves marinhas, espuma, areia, pedras… Quero sentir a tua falta e imaginar-te à minha espera.

Eu minto-te, e digo que este será o melhor dia de pesca que vou ter na vida, apesar de saber que na próxima vez voltarei a dizer o mesmo… E já no mar,  estou feliz. Uma paz única.

Às vezes sinto que nasci na época errada, onde o triunfo do homem é medido em plásticos de cartão de crédito, onde o frio é regulado com um termostato e o calor do verão não existe, porque há ares condicionados. Nasci numa época de traições e lutas por uma conta bancária, onde tudo se compra e se vende.

Mas quando pesco, meu amor, afasto-me deste mundo horrível e venenoso. Afasto-me do conforto, do luxo e da televisão que nos idiotiza. Eu posso aceitar as regras do jogo, sou suficientemente civilizado para conviver neste mundo de loucos, mas deixa-me sair disto, de vez em quando..

E verás que quando não o puder fazer mais, estarei por aí sentado ao sol, onde me ponham as tuas  mãos carinhosas, e um sorriso distante estará desenhado nos meus lábios secos. Não penses que a velhice é inevitável, pensa antes que estarei a lembrar-me de algum momento de pesca. E se me vires triste e sozinho, entediado na minha cadeira, coloca a minha vara gasta nas minhas mãos. Ao tocar nela, vou ser transportado no tempo… E verás então que as minhas mãos apertarão esta velha companheira, tentando recuperar aqueles momentos que já se foram.

Meu amor, talvez eu vá hoje à pesca para poder apreciar esses momentos e, assim, poder viver feliz. De manhã, e se acontecer alguma coisa enquanto estou no mar, que ninguém chore. Que ninguém fique triste porque de certeza que eu estava a sorrir.”

CARTA DE UM PESCADOR 
      "
A Pesca não se explica, SENTE-SE.

"Juntos somos mais fortes.

MPSR

1 comentário:

Unknown disse...

Entrei por acaso,li este texto,e parecia que por momentos falavam de mim ,e de tudo o que a pesca me dá e de tudo o que me tira de cima nem que seja por um par de horas...
Obrigado amigo por a partilha.